17 abril 2007

Bagdad Café

Bagdad Café (Out of Rosenheim, 87)

O que mais me extasiou no filme foi a atmosfera. Percy Adlon cria um ambiente sufocante e desprezível, um típico subúrbio hostil. Em contraponto, e como um presságio, há as deliciosas músicas alegres tocadas no piano. É um jogo magnético, é como uma injeção intravenosa. Há uma riqueza de detalhes incrível em como Bagdad Café é criado, os elementos carregam enorme significado, maiores inclusive que as atitudes. Exemplo disso é a garrafa térmica, um objeto extremamente simbólico, que faz fluir a história.

A chegada de Jasmin é vital, não apenas para a transformação das personagens, mas para a própria explosão sinergética dos diferentes mundos e conflitos. Jasmin é uma mulher sobria, de caráter rígido, que, pela sua própria essência conservada, causa um grande mal-estar na pousada/café. A proprietária, Brenda, mulher rancorosa, reclama de ter de fazer tudo, sendo que não há muito o que fazer. O choque vem disso. Jasmin se mostra aberta a qualquer tipo de relacionamento, ela só quer se bastar. Os outros apreciam isso, oq ue causa um furor interior em Brenda.

Vejo a aridez do local como uma projeção para a aspereza do relacionamento Jasmin/Brenda. Brenda, como Bagdad Café, é inóspita, não permite que ninguém exista, sufoca. Mas há vidas que querem permanecer, vemos assim o pintor frustrado que enxerga na alemã uma beleza única, o garoto que sonha em ser pianista e que é por ela apenas entendido... Contorna-se assim o sentimento de solidão. Insistem muito na metáfora da mágica, mas vejo essa dualidade do cenário muito mais representativa. Justamente porque o mundo mostrado é de incógnitas e de incoerências, assim como a prórpia cerne do local.

Outro aspecto que vale ressaltar é a canção Calling You, de Jevetta Steele. Tema do filme, ela perpassa, pela sua melodia inebriante, por toda história num vôo lúdico. Acompanha o mundo angustiante que é tal estrada. É a representação onírica da viagem a pé pela estrada desertas.

Bagdad Café é certamente uma obra do tempo gasto.

Desert road from Vegas to nowhere
Someplace better than where you've been
A coffee machine that needs some fixing
In a little cafe just around the bend.

I am calling you
Can't you hear me
I am calling you.

Hot dry wind blows right through me
Baby's crying and I can't sleep
But we both know a change is coming
It's coming closer
Sweet release.

I am calling you
I know you hear me
I am calling you

I am calling you
I know you hear me
I am calling you

Desert road from Vegas to nowhere
Someplace better than where you've been
A coffee machine that needs some fixing
In a little cafe just around the bend
Hot dry wind blows right through me
Baby's crying and I can't sleep
And I can feel a change is coming
coming closer Sweet release.

I am calling you
Can't you hear me
I am calling you.

Nota: 7,5

PS.: Já está no ar a Zingu! # 7.

Dossiê Carlos Imperial; Nunexploitation; Zezé Motta; Velvet Undergound; Rip Kirby; Fritz Lang; Buster Keaton; palavras sujas à Gwyneth Paltrow...

0 Comentário(s):

Postar um comentário

<< Voltar