15 outubro 2006

Etiquetar: Seis Faces de Gabriel Carneiro

Paulo convidou-me a esse desafio. É a corrente "Etiquetar" adaptada aos blogs de cinema. Seis pessoas são convidadas a expôr seis de suas principais caracteísticas. À moda de Paulo, escolhi seis personagens do cinema. Com ajuda da Mel, eis as personganes:

Começo com Salieri (foto 1 - F. Murray Abraham), de Amadeus, pela sua faceta rancorosa. Não digo que chegaria a tal ponto, e que meu rancor provenha de da inveja. Mas há o rancor. Raramente esqueço algo que me prejudique ou machuque. Mesmo que muito não seja externado, o sentimento existe, é guardado e pode ser usado.

Noodles (foto 2 - Robert De Niro), de Era Uma Vez na América, figura na lista pela sua essência nostálgica. Não quero entrar nos méritos do filme e discutir suas interpretações. Digo apenas, na sua velhice, quando relembra; ou na ilusão do ópio, Noodles está sempre a lembrar com gosto do passado, do que foi e do que não foi. Sua realidade existe, ah, mas como pensa em outra, em outro mundo.

Capra além de gênio conseguiu dar o tom para duas de minhas caractéristicas. O primeiro é em Do Mundo Nada se Leva, encarnado na personagem de Anthony P. Kirby (foto 3 - Edward Arnold). Kirby é o típico rabugento, que de tudo reclama, que com nada compactua, que está sempre discutindo. Adoro discutir e resmungar, caracterizo-o como um hobbie. Rabugentice é algo deveras divertido.

Desde minha tenra idade idolatrei A Bela e a Fera (foto 4), e de certa forma o gênio da Fera permanceu em mim. A teimosia do monstro é uma das minhas características mais marcantes. Raramente admitirei meu erro ou mudarei de opinião. Isso até pode irritar alguns, mas não levando a sério pode ser até algo cativante.

Esqueça a loucura ou a esquisitice de Edward Bloom (foto 5 - Ewan McGregor), de Peixe Grande. O que mais temos em comum é seu gosto pela comunicação, ambos gostamos de falar. Não conto histórias e não sou tagarela, mas se possuir alguma intimidade comigo, perceberá que falarei bastante. E se for de cinema então, aí que não paro...

A segunda personagem de Capra é Jefferson Smith (foto 6 - James Stewart), de A Mulher Faz o Homem. Tal qual, a persistência é um ponto forte. Não cheguei a ficar mais de 30 horas diante do Congresso, falando, para impedir seu fim de expediente, mas tento, tento de novo, e tento mais algumas vezes para conseguir o que quero. Algumas vezes desisto, mas não sem muita exaustão. Insistência e teimosia são componentes. Vocês verão, ainda ouvirão meu nome no futuro.

Posso até parecer alguém desagradável, mas dando-me uma chance, talvez descubra que não.
Passo esse desafio - sim, pois é algo bem difícil de se fazer - à Mel, ao Matheus, ao Ed, ao Rodrigo, ao Roberto, e à próxima pessoa que deixar um comentário dizendo que está interessado - não sei mais quem lê meu blog com certa regularidade e não recebeu um convite, se esqueci de alguém, peço perdão.

0 Comentário(s):

Postar um comentário

<< Voltar