06 agosto 2006

Anima Mundi 2006

Anima Mundi 2006 -
14º Festival Internacional de Animação do Brasil


Bill Plympton cede a imagem do cão de
seu Guide Dog para a promoção do evento

Segue um link para a minha cobertura do ano passado, explicando bastante do festival que prefiro não repetir, para não tornar o blog enfadonho para quem o acompanha há um bom tempo - e para o site oficial:

Farei agora pequenos acréscimos - coisas do ano -, em relação ao comentário geral do ano passado. Nesse, o festival contou com a participação do ganhador do Oscar de curta de animação, John Canemaker; do mestre da animção japonesa com bonecos, Kihachiro Kawamoto; de Gil Alkabetz; da Mackinon & Saunders e da TV Pingüim.

Com mais curtas e mais longas, o festival limitou-se ainda mais. Diversas sessões exibidas apenas uma vez - como o longa Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock'n'Roll, que teve seus 733 ingressos esgotados no segundo dia de festival e como a sessão Panorama 2, que possuía o curta The Aroma of Tea, tão aclamado por Peerre. Porém a qualidade geral tende a estagnar-se. Meu número de curtas vistos diminuiu - falta de tempo, dinheiro e interesse - e de longas aumentou, e tirando poucos, a maioria continuou me desagradando.

Com uma maioria de 5X1, será colocado em vários posts.

Vamos a eles.

DVD Anima Mundi Vol. 4

Kutoja (Laura Neuvonen, Finlândia, 05) [46]
Morir de Amor (Gil Alkabetz, Alemanha, 04) [53]
Qualquer Nota (Marcelo Ribeiro Mourão, Brasil, ?) [12]
Reci, Reci, Reci (Michaela Pavlátová, Rep. Tcheca, 91) [28]
Overtime (?, França, ?) [49]
Aos Pedaços (Guilherme Marcondes, Brasil, ?) 0 [0]
Ryan (Chris Landreth, Canadá, 04) [72]

Assistido durante as pausas de programação no stand personalizado da Petrobrás. Mostrando, no geral, os "melhores" curtas exibidos no ano passado e outras raridades, como o indicado ao Oscar e vencedor do Prêmio do Júri, Reci, Reci, Reci. Além do ganhador do Oscar, Ryan. Aliás, este não me arrebatou como na primeira visão, e hoje não o acho nada mais do que bom. Algumas animações horríveis como Aos Pedaços e Qualquer Nota - e depois querem falar da qualidade da animação brasileira quando esses dois são considerados ótimos. Kutoja continua-me sendo desagradável. E Morir de Amor é simpático e engraçado, mas além dos traços, o roteiro um tanto quanto bobo desagradou-me bastante.

Não assisti a todos os curtas por falta de tempo.

Curtas 4

Stuart (José Pedro Cavalheiro, Portugal, 06) [50]
Carnivore Reflux (Eddie White e James Calvert, Austrália, 06) [40]
Ego (Louis Blaise, Thomas Lagache e Bastien Roger, França, 05) [60]
Pax (Paulo Munhoz, Brasil, 05) [71]
McLauren's Negatives (Marie-Josee Saint-Pierre, Canadá, 06) [75]
Guide Dog (Bill Plympton, EUA, 06) [48]

Impressiona-me a bobagem chamada Guide Dog levar os prêmios de público e crítica. Apesar de ser engraçado em alguns momentos, é o típico humor burlesco e afetado. O que salva é apenas a agradabilíssima figura do cão. Carnivore Reflux é visualmente feio e bizarro, e isso é o que mais me incomoda. Podendo ser uma animação criativa e sombrio pela sua narração e roteiro, joga tudo fora por um estilo baseado em recortes, fugindo, talvez, de algo mais adequado para compor um verdadeiro conto calamitoso. Pax é um engraçado filme sobre a tentativa de resolução da paz mundial através das quatro maiores religiões do mundo: cristianismo, islamismo, budismo e judaísmo. As gags e sátiras das religiões funcionam, e o clima de paródia faz com que levemos tudo na brincadeira, mesmo com as sutis críticas. McLauren's Negatives é uma mini-biografia/homenagem ao animador canadense Norman McLauren, ganhador do Oscar na década de 50. Não foge dos clichês do gênero, mas consegue compor um curta visualmente interessante, com trechos de animações de McLauren e citações.

Curtas 6

Le Dernière Heure (Antoine Guex, Suíça, 04) 0 [0]
Eclosion (Jerome Boubes, França, 06) [62]
CNote (Chris Hinton, Canadá, 05) 0 [0]
Santa de Casa (Allan Sieber, Brasil, 05) [16]
De Raíz (Carlos Carrera, México, 04) [45]
Creature Conforts - Monarchy Business (Richard Goleszowski, RU, 05) [80]


Creatures Comforts

O curta da estranhíssima reprodução das pedras, Eclosion, agradou-me. Talvez a falta de real propósito - além de mostrar os ótimos recursos - serviu para fazer do curta um balé de seres ignóbeis taxados por uma única razão instintiva de vida. CNote é horrível, faço das palavras de Mel as minhas: "pegaram um monte de cor, de som e de formas, jogaram no liquidificador e foram soltando aos poucos na tela". Santa de Casa ganhou elogios e até matéria na Folha, e eu não entendo como aquela exacerbação visual, dotado de um clima horrível - o típico carnaval carioca -, sérios problemas sonoros e uma história bem besta o pode fazer. Se alguém quiser explicar-me, sinta-se à vontade. Na sessão valeu mesmo o novo episódio de Creatures Comforts, a outra série de sucesso da Aardman. Nesse episódio, os animais debatem a monarquia inglesa, com um fantástico humor ácido. Gosto mais do que do primeiro e ganhador do Oscar.

0 Comentário(s):

Postar um comentário

<< Voltar