30 janeiro 2006

Sideways

Sideways - Entre Umas e Outras (Sideways, 04)



Num ano com tantas porcarias, como foi 2004, surgiram pequenos filmes que provam o porque ainda devemos crer no cinema. E num ano onde filmes apenas medianos foram indicados a Melhor Filme, é justamente essa pequnea epopéia de dois homens que se sobressai (que fique claro que ainda não assisti Menina de Ouro). Em Busca da Terra do Nunca apesar de ótimo, não passa de uma boa diversão que me foi decepcionante; Ray e O Aviador são bons filmes, mas extremamente cansativos que são apenas um pouco superior a mediocriade. E porque gostei tanto do filme? Não sei se foi porque não fui com grandes expectativas, ou se foi pelas formidável maneira que Payne concilia a comédia da vida com a melancolia, ou se foi a dupla Haden Church-Giamatti; ou se foi o simples fato de ser a história de dois losers contada com estilo. Só se sei que Sideways - Entre Umas e Outras (alguém me explica o porquê deste ridículo subtítulo?) figura entre os 10 melhores filmes de 2004 com louvor.

Se não fosse por Antes do Pôr-do-Sol (que dia 16/3 sai para venda - VIVA), com certeza esse seria meu candidato ao Oscar de Roteiro Adaptado. A sutileza com que Payne aborda aqueles diversos temas, e as ótimas metáforas faz de Sideways um dos filmes mais engraçados e ao mesmo tempo deprimentes do ano. A celulóide prova que não precisa ser completamente idiota e exagerado para ser engraçado como muitos pensam, nada mais engraçado do que a comédia de situação, os erros e gafes cometidos, os comentários espontâneas, as caras e caretas, sem ter de mexer com escatologia e acefalia. Esse foi o grande mérito do diretor-roteirista, fazer uma história simples, sobre pessoas simples que não tem nada a perder, numa situação nada de extraordinária com um humor simples e ainda assim analisando cada personagem. Alexander Payne tem se mostrado um dos melhores diretores de sua nova geração mostrando sempre com excelência dramas/comédias humanas, como foi em Eleição e As Confissões de Schmidt, e agora é com esse.

O road-movie narra a história de dois amigos pelas vinícolas americanas antes do casamento de um deles. Uma espécie de despedida de solteiro para os dois. Um quer provar vinhos e saciar sua obsessão pelo fermentado e o outro quer sexo.

Eu não entendo como Paul Giammati não foi indicado. Sinceramente não passa na minha cabeça que atores cômicos como ele e Jim Carrey não sejam reconhecidos pela Academia. Ele consegue estar melhor nesse filme que em Anti-Herói Americano, ou seja, fenomenal. O cara consegue passar uma profundidade dramática só com o olhar, e a cena em que ele descreve o vinho como sendo uma metáfora diz tudo sobre ele como ator. Este foi o papel perfeito para o (antigo) eterno coadjuvante, ele tem mesmo muita cara de loser, e consegue fazer brincando o papel. Outro que se destaca muito é Tomas Haden Church, famoso ator nas TVs americanas da década de 90 com os seriados Wings e Ned and Stacey (ambos muito bons por sinal, veiculados pelo Canal Sony), Church havia se tornado a síntese do papel que representa: o ator fracassado que vive de bicos.

E consegue ser a razão de 2 dos 3 momentos mais engraçados do filme. Sem dúvida ele está dividindo meu favoritismo como ator coadjuvante com Clive Owen por Closer. Já Virginia Madsen, também indicada, não me chamou muita atenção. Nesse ano tivemos coadjuvantes muito melhores que nem sequer foram indicadas ou lembradas.
Sideways visualmente não apresenta nada de espetacular, um bonito cenário, clima normal como qualquer filme independente. Mas a montagem chama bastante atenção, e ao contrário de Em Busca da Terra do Nunca e e Ray na qual a montagem mostra pouca presença e foi indicada, Sideways apresenta justamente o contrário - boa montagem sem indicação.
E além de divertido o filme serve como lição. Agora sei como degustar um vinho, claro que minha opinião vai ser igual a de Haden Church, mas tá valendo. Eu queria saber várias coisas, e infelizmente não sei, o jeito é ir aprendendo.

Difícil dizer que esse filme entrará para história ou mesmo será lembrado daqui a vinte anos, mas qualquer pessoa que se interessa em ver os primas de uma personalidades, ou mesmo que queira entender um pouco mais sobre a mente humana deve assistir esse filme. Assim como Closer, Sideways também pode ser considerado uma análise psicológica sobre as mentes de diferentes indivíduos, a diferença é a abordagem. Eu garanto que quase nenhuma comédia atual passe tanta profundidade como esse Sideways e sua história de fracassados.

Indicações: Filme, Direção, Ator coadjuvante, atriz coadjuvante e roteiro adaptado.

Nota: 87/100
Escutando: CD (Forget Yourself - The Church); Música (Você Pode ir na Janela - Gram)

A Descobrir

Jogos Mortais (Saw, 04) - Um dos grandes achados do cinema thriller/terror, pois assim ele pode ser chamado. Um filme que todo sádico vai se deliciar, porque eles não poupam nada no nível escatológico, sendo até que bem realista. O cartaz anunciou como sendo melhor que Seven - Os 7 Pecados Capitais, e hei de concordar com ele. Me diverti muito mais com essa pequena surpresa do cinema americano. Agora me falem como se pode gostar de filmes como O Grito se existem filmes como Jogos Mortais? Esse pelo menos causa certas cenas de horror e susto, possui um roteiro decente e conta uma história ainda mais interessante. Um filme sobre uma mente psicótica que gosta de saborear cada momento do desespero humano. [85]

Postado originalmente em 12/02/2005.

0 Comentário(s):

Postar um comentário

<< Voltar