30 janeiro 2006

O Pianista

O Pianista (The Pianist, 2002)

Roman Polanski FOI um grande diretor, suas obras-primas "Chinatown" e o "O Bebê de Rosemary" nos fazem lembrar de seus bons tempos. Um aperto no peito e uma enorme saudade daquele Polanski... Seus últimos filmes nos faz sentir pena dele. "O Último Portal" e seu mais recente "O Pianista" são filmes piegas e fracos, sem um real conteúdo. Neste último Polanski quer falar do holocausto sem passar emoção, que se torna até meio desumano por parte dele, um judeu sobrevivente da guerra. Ele conta a história com se fosse um fato normal. Porém o filme não é ruim, sob a perspectiva de um filme de holocausto, é um filme com uma real história que dramatiza bem o que os judeus viveram no campo de concentração. Mas não nos faz olhar para o personagem e dizer: Este sujeito, coitado dele, sofreu muito...Ele é um vencedor. Se você analisar mais profundamente você dirá: Que bom para ele...Ele está aí, vivo! Ainda mais sob a perspectiva de um filme indicado a sete Oscars e ganhador de três (ator, diretor e roteiro adaptado - sendo a indicação deles altamente questionáveis), espera-se um filme bonito, dramático, emocionante... Sua visão de qualidade aumenta no momento em que falam que "O Pianista" é o melhor de Polanski... Só há uma coisa a ser respondida: NUNCA!!!

Adrien Brody é Wladyslaw Szpilman, pianista polonês e judeu que ao ter seu país natal invadido por nazistas tem de procurar um modo de sobreviver, passando por peste, solidão, fome e preconceitos. Esta atuação lhe rendeu um Oscar (a meu ver injusto - sendo inclusive sua indicação discutível, onde Robin Williams por "Retratos de uma Obsessão" e Tom Hanks por "Estrada Para Perdição" estão muito melhores do que ele). Brody está fisicamente bem caracterizado, porém não está convincente, está apenas competente. Não sei se é apenas impressão, mas acho que ele está sempre com um ar esnobe.


Tecnicamente, o filme é bom, nada mais do que isso, sua trilha passa despercebida e seu figurino chega a ser comum demais. E o que mata o filme é sua lentidão e detalhismo nas cenas, o que torna o filme extremamente cansativo e demorado, apesar de suas duas horas e meia (é um filme curto se comparado a "...E O Vento Levou" e "Ben-Hur", porém estes não são cansativos e podem ter até uma dose repetida em seguida de tão bom que são).

Porém o filme tem uma cena inesquecível, vai ver pelo teor de estupidez da personagem principal, onde ele ao acabar a guerra sai vestido com um casaco nazista ao redor de poloneses
sofridos.


Quero mais uma vez deixar claro, o filme não é ruim, pelo contrário, o filme é (ir)regular. Só é um filme decepcionante. Não espere muito dele.


PS: Ainda não acredito que "O Pianista" ganhou a Palma de Ouro em Cannes, e "Cidade de Deus" que é muito melhor nem sequer participou da competição.

Nota: 45/100

Postado originalmente em 12/5/04.

0 Comentário(s):

Postar um comentário

<< Voltar