30 janeiro 2006

O Novo Cenário do Cinema Latino

O cinema atual latino está diferente, produzindo e criando bons filmes, e não apenas de conteúdo, mas tecnicamente falando. Certo que ainda produz bombas como Olga, mas está no geral tendendo para o positivo. Queria poder incluir aí O Abraço partido, mas infelizmnete ainda não o vi. Portanto pretendo comentar dois filmes, um nacional e um uruguaio. Ambos apreciados bastante por mim.

Acho que a principal causa de tais produções não sejam apenas devido ao maior investimento nessa área, que é muito baixo em países com menor índice de desenvolvimento econômico, mas também as crises que esses países vem sofrendo. Aparentemente quando o país está em crise a probabilidade de ele querer se sobressair em algo tende a aumentar, e nesses últimos anos vêm sendo produzidos filmes com bastante qualidade. Só sei que quem sai ganhando com isso somos nós espectadores.

Nina (Nina, 04)


Mesmo as críticas tendo sido muito negativas, o filme me agradou bastante. Nina me chamou muito a atenção. E não só pelo roteiro que me agradou bastante ou pela excelente direção de Heitor Dhália, mas principalmente pelo visual e clima da película. Um visual obscuro, uma ótima fotografia e direção de arte. Trilha sonora e tudo tecnicamente é esplendoroso, uma pena que um filme só não se faz disso. O filme contém cenas meio ilógicas e desagradáveis. Ninguém merece a inossa e fraca atriz, Guta Stresser, fazendo strip-tease. Ela não é sexy, e colocam ela fazendo uma cena semi-erótica, não faz muito sentindo. Destaque em atuações vai para a ótima e rabugenta Myriam Muniz, que interpreta a senhoria da casa Dona Eulália. Ela rouba todas as cenas com sua rabugentisse e mal-humor, as frases "Não me im-por-ta." e "Não é problema meu.", em sua devida tonalidade não seram esquecidas tão cedo. Baseado no livro Crime e Castigo, e contando com histórias em quadrinhos adultos (não pornográficos) ilustrando a história, a celulóide narra a história de Nina, uma garota atormentada pela dona da casa, que é uma velha mesquinha e sádica. E é vivendo nesse inferno de local e numa cidade desumana que ocorre um crime. Um filme com grande potencial mas que falhas em algumas coisas. Mas não pode se negar que a qualidade técnica brasileira avançou muito, pois a produção bate com muitas produções norte americanas.

Nota: 78/100

PS: E foi com muito pesar que vi que Miriam Muniz faleceu ontem (18/12). Eis o link.

Whisky (Whisky, 2003)

Whisky é um filme simples, com um roteiro simples, boas atuações, um visual apagado, e que nem por isso deixa de ser bom. E é a simplicidade que o leva a tal qualidade, em nenhum lugar o filme é pretencioso, ou quer ganhar fãs e virar cult. O filme só quer contar a história, falar da rotina incessante dos trabalhadores de classe média, mostrar como é difícil ser sozinho na vida e ter aventuras na vida. É um filme basicamente sobre rotina e conformismo. Conformismo porque? Porque é basicamente nisso que vive o protagonista, um cinquentão solteiro, dono de uma fábrica de meias que não faz nada além de trabalhar e viver sua patética vida, e o que ele faz para mudar? nada, exatamente nada. E quando seu irmão que mora no Brasil vem para o "enterro" de sua mãe, para não ser perturbado com aquelas habituais perguntas "Quando você vai arranjar alguém? Família?", o que ele faz? Pede a sua funcionária que se passe por sua esposa. Há um nítido interesse nesse relacionamento por ambos, mas ele continua na mesma. É como se nada tivesse importância para ele, que já se acostumou com a patética vida dele, parece que ele desistiu de viver e só vive em função de sua rotina. Ele até tem a intenção de remunerar a funcionária só para ele não passar pela encheção do irmão que está feliz, casado e com filhos, morando bem no Brasil e ganhando um bom salário. A frivolidade da personagem principal é imensa que não faz nada além de dormir e comer. Destaque para o roteiro tão bem elaborado e pelas ótimas atuações. Um filme que tem cara de ser latino e que o faz com muito gosto.

Nota: 72/100

Escutando: CD (The Best of Blur - Blur); Música (Here Without You - The Byrds)

Postado originalmente em 17/12/04.

0 Comentário(s):

Postar um comentário

<< Voltar