30 janeiro 2006

Em Busca da Terra do Nunca

Em Busca da Terra do Nunca (Finding Neverland, 04)


Então começa a maratona dos indicados ao Oscar na catergoria Melhor Filme, sendo que todos estreiam num período de duas semanas. Este foi meu primeiro escolhido, o que achava que iria mais gostar, pois bem, espero que não seja bem assim. Por mais que tenha gostado, não posso não mostrar um pouco de decepção em relação a este. Uma história linda contada de uma maneira clichê feita para nos emocionar, tá certo que funcionou, mas a celulóide não deixa de ser o filme água-com-açúcar do ano, aquele bonitinho em todos os apectos. Essa foi a razão de ter me decepcionado e não ter galardeado o filme com 5 estrelas.

Eu gosto de filmes feitos para o Oscar, gosto muito aliás, não tenho aquele pudor: "Ah, é filme comercial. É filme feito para o Oscar. São todos ruins. Bons são aqueles que ninguém vê, que só ganham prêmios em determinada competição onde só filmes menores ganham.". E Em Busca da Terra do Nunca tem todos atributos que um filme feito para o Oscar tem. Visualmente bonito, história elaborada para nos emocionar, atuações competentes e a agrabilidade de se assistir.
Marc Foster é um diretor competente e apenas isso. Sabe cumprir apenas seu trabalho, o famoso diretor de aluguel. Pois não sabe impor nada, não se vê traços característicos ou mesmo alguma distinção de qualquer outra pessoa que fosse pegar o filme para dirigí-lo. O que aparenta é que ele apenas seguiu linha por linha do roteiro e tentou transmitir uma certa mágica. Não deu muito certo, porque sinceramente, gostei mais do trailer do que do filme propriamente dito. Em compensação o script da celulóide é bonito e contraria os erros cometidos por Foster no longa. Merecidamente indicado, mas inferior a Antes do Pôr-do-Sol e Diários de Motocicleta (e que falta faz Closer nessa categoria).



A história é a seguinte: J.M. Barrie é um dramaturgo que após um fracasso conhece uma família composta por quatro garotos e uma mãe viúva. Começam a se encontrar casulamente no parque, viram amigos. E nesse processo todo, Barrie cria a sua considerada obra-prima, a fábula Peter Pan.

Johnny Depp é inegavelmente um dos melhores atores de sua geração, marcado por papéis como Edward (Edward Mãos de Tesoura), Ed Wood e Don Juan DeMarco, ele só foi reconhecido mesmo com Piratas do Caribe, dando uma indicação surpresa para o ator. E agora nesse Em Busca do Terra do Nunca ele volta como candidato. Mas o que me deixa intrigado é o fato de virem reconhecê-lo em uma de suas mais fracas atuações. Um cara como ele que é fenomenal e nos dá uma atuação nada mais do que boa não poderia ser endeusado. deveria ter sido endeusado nos filmes que citei acima. Mas pelo menos está sendo reconhecido e isso vale. Kate Winslet é Clementine, e não há outro papel em que vá se sair tão bem. Houve muito buzz no garoto Freddie Highmore, mas sinceramente não vi nada demais, mais um garoto no cinema que dificilmente estourará. Gostei muito mais de Luke Spill, o mais novo da família Davies. O sotaque dele me divertiu muito: "Sir, you're standing on my sleeve".

Se falasse que o filme não merece nenhum Oscar, estaria mentindo. A trilha sonora é muito bonita e superior aos outros indicados. Creio que os indicados foram aqueles só para Neverland não sair de mãos vazias da cerimônia. Não entendi a indicação em montagem, mas enfim... O filme pode ter seus defeitos, mas não tem como não apreciar a bonita hisória por trás da fábula (ou a fábula por trás da bonita história?). Merece ser visto sem preconceitos.

Indicações para o Oscar: Filme, Ator, Roteiro adaptado, Montagem, Direção de Arte & Cenário, Trilha Sonora e Figurino.

Nota: 80/100

Escutando: CD (Greatest Hits - Simon and Garfunkel); Música (Beautiful - Meshell Ndegeocello)

A Descobrir

Por Uns Dólares a Mais (Per Qualche Dollaro in Più, 65) - O segundo filme da Trilogia dos Dólares de Leone é O western sphagetti. O melhor dos que vi até agora. Sempre ouvi falar que o melhor ra Três Homens em Conflito, mas foi Por Uns Dólares a Mais que realmente me empolgou. Com um fantástico Lee Van Cleef e Clint Eastwood o filme conta as histórias de traição no velho oeste. Caçadores de recompensa que disputam quem vai ficar com o prêmio na cabeça de El ìndio. Até que resolvem se juntar. Sérgio Leone é um gênio. [100]

Postado originalmente em 08/02/2005.

0 Comentário(s):

Postar um comentário

<< Voltar