30 janeiro 2006

Diários de Motocicleta

Diários de Motocicleta (The Motorcycle Diaries, 2004)

Diários de Motocicleta que estreou na última sexta, conta a história de um Ernesto Guevara pré-Revolução Cubana. Ernesto e seu amigo Alberto Granado, ambos estudantes de medicina Alberto é bioquímico), resolvem percorrer a América do Sul, desde a Argentina (país natal deles) até a Venezuela, em sua moto La Poderosa, para poderem conhecer tudo aquilo que não está nos livros. E é com esse intuito que ambos saem, em 1952, nesta jornada, e é nela que Ernesto percebe as injustiças ocorridas nestes lugares, geralmente pobres, e o ativa seus ideais socialistas.

Walter Salles consegue sair de filmes medianos como "Central do Brasil", de 1998, e "Abril Despedaçado", de 2001, para alcançar a obra máxima já por ele produzida. Um filme com convicção, e não só por mérito do excelnte elenco, mas pela forma que Salles consegue colocar o humor descontraído no filme, assim coomo com a mesma discrição e sultileza vê-se a implantação dos ideais socialistas aflorando em "Che". Mas nunca fazendo propaganda deste, o filme apenas conta a história da jornada de Ernesto e Granado pela América do Sul. E o mérito de Salles é fazer com que todo o tom histórico seja implantado nesta viagem, e nunca caindo na monotonia.

Já o elenco é o grande trunfo do filme. Gael García Bernal, como Guevara, e Rodrigo de la Serna, como Granado, estão simplesmente fantásticos. Provavelmente a melhor atuação de Bernal, está excepcional, muito bem figurado, você realmente acredita que ele é Ernesto, o idealista. Este cara ainda vai longe, e será muita injustiça se ele for esquecido na cerimônia do Oscar 2005. Já Rodrigo de la Serna é a primeira vez que o vejo e foi com grande prazer que vi, a parte cômica do filme é incorporada ao seu personagem, fazendo o personagem mulherengo muito carismático.

O filme conta com uma cena de tirar o fôlego: o momento em que Ernesto atravessa o rio Amazonas a nado, para comemorar seus aniversário com os leprosos. Outra boa sacada do filme foi fazer uma cena com o verdadeiro Granado, hoje velho, olhando para o vazio e com olhos a ponto de lacrimejar. Uma cena encantadora, emocionante e a melhor do filme. A trilha sonora, além da linda cenografia são os destaques técnicos.

O roteiro é um caso a parte, mas isso é algo que cada um tem que conferir por si só. É uma obrigação assistir a esse filme, por todos elementos nele presente.

Nota: 94/100

Postado originalmente em 10/5/04.

0 Comentário(s):

Postar um comentário

<< Voltar