30 janeiro 2006

As Bicicletas de Belleville

As Bicicletas de Belleville (Les Triplettes de Belleville, 2003)



Eis a animação mais bizarra e absurda que eu já vi. Esse As Bicicletas de Belleville foi me chamar a atenção no dia que saiu as indicações do Oscar 2004, recebendo as indicações de Melhor Animação e Melhor Canção. E hoje, sem ter o que fazer e não tendo mais nada como opção no cinema
(além de Como se Fosse a Primeira Vez, que eu me recuso assistir, pelo menos no cinema), resolvi então conferir essa aclamadíssima animação francesa... e não é que eu gostei. Completamente absurdo em suas situações, é um filme que pode ser resumido com uma palavra: peculiar. Digamos assim, utiliza-se do mesmo grau de "sem noção" que Kill Bill Vol. 1, só que em vez de ser na violência e similares é nas condições e situações em que os personagens
passam

E ainda mais estranho é o fato do filme ser quase inteiramente mudo (não, de um modo negativo, apenas não é comum), com poucas falas... Sendo que a maioria das vezes que escutamos as vozes das personagens é durante canções (que são poucas). O filme conta a história de um garoto insatisfeito com a vida, sua avó inconformada com essa situação lhe presenteia com uma bicicleta; o garoto cresce e fica aficcionado pelo esporte, no dia de sua participação na prova de ciclismo da França ele é sequestrado pela máfia francesa, sua mãe, então, faz de tudo para encontrá-lo.

E é na conclusão que vemos as melhores sequências do filme, a perseguição de carro, o final poético... é um ótimo filme, sem dúvidas, e é basicamente graças as personagens estranhas e num tanto quanto diferentes. Por exemplo, as Triplettes de Belleville, aquelas velhas que cantam (vejam a bizarrice e absurdo, elas adquirem seus alimentos jogando granadas alemãs em um pântano), são um dos seres mais bizarros que eu já vi. O cachorro que sempre late quando passa um trem, o garoto que mesmo mais velho ainda traz a infelicidade em seu rosto.

Já a animação em si, é muito bonita, diferente, mas bonita...possui bastante estilo em sua composição. Outro trunfo do autor é evidenciar que o tempo passou, ao longo de suas cenas; e a expressão facial das personagens. além de fazer uma sátira clara aos EUA, com a cidade de Belleville sendo uma Nova York francesa, onde todos moradores são gordos e rudes.

O filme proporciona bons momentos e boas risadas, é um bom divertimento, mas é um filme que dá para esperar sair para locação...

Nota: 85/100

Postado originalmente em 8/5/04.

0 Comentário(s):

Postar um comentário

<< Voltar