30 janeiro 2006

Anima Mundi 2005

Anima Mundi 2005 -
13º Festival Internacional de Animação do Brasil


O Anima Mundi tem ganhado cada vez mais atenção da mídia, tornando-se de fato um exemplar em festivais. O que diferencia este festival de todos os outros é pricipalmente pelo fato de ser um festival exclusivo de animações de todo mundo, composto principalmente por curtas metragens. Um grande atrativo para os fãs de cinema e de animações reside nesse aspecto. curtas metragens não dão dinheiro e não atraem o grande público, é muito difícil conseguir-se patrocínio, pois a distribuição é praticamente impossível. No atual mercado, só os curtas da Pixar saem ganhando, sendo geralmente exibidos anteriormente aos seus longas metragens arrasa-quarteirões. Isso é um dos fatores do Anima Mundi se tornar uma especiaria no Brasil. Só assim você terá a oportunidade de conferir tais produtos, que muitas vezes, são imperdíveis. O festival ainda conta com a exibição de longas metragens não lançados comercialmente aqui.

Quem pensa que o Anima Mundi só é feito de filmes, engana-se. Durante todo o festival você muito em relação a animações. Palestras de convidados, que esse ano conta com Rui de Oliveira, famoso pela abertura do primeiro O Sítio do Pica-Pau Amarelo, entre outros convidados, como Chris Landreth (ganhador do Oscar de melhor curta de animção de 2005, por Ryan), Georges Schwigebel, Igor Kovalyov e Ron Diamond/ACME - estes são geralmente homenageados por suas obras, tendo uma sessão com seus curtas apenas, que vale muito para conhecer o trabalho do diretor muito pouco conhecido; workshops, onde você pode desenvolver sua criatividade e aprender como funciona mecanismo de diferentes estilos de animação, desde desenhos até pixilation, você pode ver suas produções nas telas - são atividades muito divertidas, mesmo sendo difícil para alguém que não possui prática ou talento, como eu, mas adorei criar na película e na areia. No ano passado começou-se uma nova tradição, o Anima Mundi Expo, onde empresas e escolas técnicas apresentam seu trabalho voltado a animações. Partes de cursos e palestras são feitas, e inclusive várias promoções quanto a cursos gratuitos.

O festival ocorre em São Paulo e no Rio de Janeiro, geralmente exibido no CCBB (Centro Cultural do Banco do Brasil), este ano houve uma mudança. Em São Paulo, quem recebe este ano o festival é o Memorial da América Latina. Ainda não entendo porque o número de dias em São Paulo é consideravelmente menor. No Rio, o festival ocorreu do dia 8 ao 17, e em São Paulo do dia 20 ao 24. Assim sendo, as oportunidades dos paulistas de conferirem mais filmes se limita.

O número de filmes exibidos neste ano está em volta de 370. No ano passado ultrapassavam os 600. Segundo os organizadores a mudança está ligada a qualidade. Diz-se que a seleção foi muito maior, aumento a qualidade, e que assim os espectadores teriam mais chances de conferir os filmes, devido a repetência. Isso é muito subjetivo e questionável. Não só pelo fato de eles não terem selecionado filmes que poderiam ser interessantes, mas também pelo altíssimo nível de bobagens e idiotices que eu tive o desprazer de ver. Vi aproximadamente 90 curtas metragens no total, e mais da metade é um lixo completo. Nunca dei tanta nota baixa na minha vida, aliás, nunca vi tanta porcaria no mesmo dia. E se for para dar mais qualidade ao festival com uma possível redução, precisam reduzir, então, mais ainda.

Agora, deixando um pouco o lado didático, minha opinião sobre os filmes vistos. Os curtas metragens são agrupados em programas, cada um contendo em média dez curtas e exibidos.

Curtas 3

Peace Running (França/RU, 04) [60]
Mismo Olor (Brasil, 04) [45]
Ego Sum Alpha et Omega (Alemanha, 05) [82]
Moodswing (Bélgica, 03) 0 [0]
Birdon (EUA, 03) [68]
City Paradise (RU, 04) 0 [0]
Mue et Remue (Canadá, 05) [20]
The Tale of the Deceptive Dog (Noruega, 03) 0 [0]
Amfraid (França, 04) [57]
Conduite Accompagne (França, 04) [49]

Mesmo sendo um sessão relativamente fraca, existem alguns curtas interessantes. O melhor disparado, Ego Sum Alpha et Omega mostra o despropósito de nossas vidas, que se tornaram entediantes, rotineiras e similares. Um homem, nú, cai e começa a caminhar, a cada obejto que encontra, há uma mudança na paisagem ao lado que vai se construindo, até ele se tornar um funcionário de uma empresa, trabalhando num cubículo, como outras pessoas idênticas na aparência. Muito interessante. Birdon é sobre um simpático pássaro que sonha com uma liberdade. Moodswing é um horrendo curta feita a base de recortes, que tenta usar um a dose do sitcom de humor e satirizá-los. Não funciona, a história é capenga e extremamente irritante. Um filme que quer fazer parte do que chamamos de cultura pop. City Paradise é o pior da sessão, completamente ilógico e idiota, com um estilo de animação similar a Ângela Anaconda, com rostos verdadeiros, presos a um corpo animado muito mal feito. Tentando ser sempre peculiar e diferente.

Curtas 5

Snickers - Dentaduras (Brasil, 04) [25]
Joey (Canadá, 04) [18]
After (RU, 05) [80]
Rex Steele: Nazi Smasher (EUA, 04) [90]
Slide (Canadá, 05) 0 [0]
Nave Mãe (Brasil, 04) 0 [5]
Zasukanec (Alemanha/Eslovênia, 04) [40]
Lunolin, petit naturaliste (França/Bélgica, 05) 0 [8]

Uma das minhas três notas máximas se encontravam nos Curtas 5, Rex Steele: Nazi Smasher, uma hilária satira ao heróis americanos, ao patriotismo extremado, e aos quadrinhos de ação. Brilhante realização, sobre Rex Steele, o esmagador de nazistas, que vem até a Amazônia acabar com os planos dos nazistas escondidos. Uma das poucas sessões que me fizeram realmente rir. After é um curta mais sério, mais cabeça, que mexe muito com a auto estima e questões psicológicas. A animação é feita principalmente de argila, e uma personagem vai se construindo a partir de seu aprendizado. Joey é um clipe bem ruim, não conheço a banda, mas detestei a música. O clipe animado não ajuda. Slide não tem história. E Nave Mãe é algo patético, tenta ser engraçado, mas só cai no ridículo.

Curtas 8

Cartoon Network "Shocktober" (Canadá, 03) [76]
The Toon Horror Picture Show (França, 04) 0 [0]
Vita Ex Musica (França, 04) [96]
Badgered (RU, 05) [69]
Elle (França, 04) [65]
À Travers Mes Grosses Lunettes (Canadá, 04) [96]
Cirkus (Dinamarca, 04) 0 [0]
Herr Würfel (Suíça, 04) [54]
Gopher Broke (EUA, 04) [87]

A melhor sessão disparado, sem a menor dúvida. Eu só realmente desgostei de dois, o que é pouco se comparado ao resto. Dois curtas brilhantes: Vita Ex Musica e À Travers Mes Grosses Lunettes. O primeiro, um curta sobre um ser abandonado, largado no mundo, onde música é a única coisa que pode trazer um pouco de vida e felicidade para sua cidade. Ele se encontra apaixonado por uma manequim, e para tentar conseguir fazê-la viver, toca para ela. Mas tal intensidade só causa a destruição dela. Ele se enfurece. Genial, lindo, soberbo. O segundo trata de um avô que tenta convencer seu neto a colocar o gorro para sair, este não o queria colocar. Então, seu avô começa a contar história de seu passado, falando sobre a Segunda Guerra Mundial, como seus pais perseguidos o abandonaram, e ele teve de ser cuidado pela sua tia. Ele fora um garoto rebelde, que estava sempre se encrencando. Cnta de como foi para guerra, e que quando voltou os pesadelos o acompanham, até ele falar o porquê se deve colocar o gorro. Lindo. De um sensilidade extrema. Gopher Broke é um roedor que tenta a todo custo se alimentar, mas sempre é impedido, muito engraçado. Uma produção Blur, que traz sempre a peculiaridade e consegue ser engraçado. Badgered é muito simpático, impossível não gostar. Cirkus é deprimente, uma tentativa banal de se mostrar o fim do circo, a oposição do que ele representa.

Curtas 12

YTV "3 Hairy Thumbs Up" Show Packaging (Canadá, 04) 0 [0]
Portal (RU, 04) 0 [0]
Wake Up (França, 04) 0 [0]
Bequadro (Brasil, 05) [81]
L'Inventaire Fantome (França, 04) [50]
Not There Yet (Irlanda, 04) [88]
Fable (EUA, 04) [17]
Empreintes (Canadá, 04) 0 [0]
The Room (Coréia do Sul, 05) [11]

Provavelmente a pior sessão. Só gostei de dois curtas, bastante engraçados. Bequadro é o melhor curta brasileiro que vi, brincando com os famosos "erros de gravação" ao final. São notas musicais que entram em conflito para ver quem vai ficar naquela página. Muito criativo. E Not There Yet, uma crítica muito humorada ao sistema de transporte. Mostrando que nunca você vai chegar lá, e semrpe algo errado irá acontecer e você não cehgará ao seu destino. O final é genial, dedicando o curta ao Ministro do Transporte. L'Inventaire Fantome possui uma das animação mais bonitas esteéticamente falando, porém seu conteúdo deixa a desejar. O resto é tão ruim que nem vale a pena comentar, eu não entendo essa mania de fazer filmes sem história ou conflito.

Curtas 16

Hector (França, 04) 0 [0]
Nuit Blanche (França, 04) [72]
True Color (França, 04) 0 [0]
Tokyo Fantasia (Japão, 05) 0 [4]
A-GI-NA-MU (Coréia do Sul, 04) [31]
Maria Dolores (Brasil, 05) [50]
Wrong Number, Phone message (Canadá, 03) 0 [0]
Bek (Holanda, 04) [39]
Chahut (França/Bélgica, 05) [58]

Retiro o que disse acima, este é, sem dúvidas, o pior dos programas que vi. Só gostei de dois que são completamente esquecíveis. Tanto que eles nem valem um comentário. Tem uma coisa que eu não entendo, não é só porque é um curta de animação, que não precisa ter história ou conflito, precisa sim. É animação mas é filme, só muda a forma de linguagem. Ele precisa ter algo em se apoiar e não em apenas imagens desconexas ou algo que começa e acaba sem dizer nada. Imaginem que filme você no caminho da sua casa ou seu trabalho, sem falas ou qualquer coisa assim, só você percorrendo esse caminho, vocês achariam interessante ou bom, ou apenas entediante? Eu acho entediante. Agora, imaginem isso com criações não rotineiras, algo não usual, mas com a mesma essência. Soa falso e prepotente. Então, além de entediante, é falso e prepotente. O pior é quando é isso, adicionando uma série de imagens sem continuidade alguma. Chega a me irritar profundamente isso. Mas principalmente, conflitos devem existir, a não ser que seja uma história suficientemente interessante e que prenda a atenção e trasmitam algo, e não apenas imagens.

Curtas 19



Abba to Zappa (RU, 04) [85]
Tudo (Brasil, 05) 0 [0]
Learn Self Defense (EUA, 04) [88]
Fauna Sutra (Holanda, 04) [45]
Love Cube (Itália, 04) 0 [4]
Será que ela vem? (Brasil, 03) [23]
Kutoja (Finlândia, 05) [53]
Round Zero (França, 04) [62]
Handshake (EUA, 04) [70]
Rock Opera (EUA, 02) [49]
Poldek (Suíça, 04) 0 [0]
Agricultural Report (Irlanda, 04) [85]

O melhor curta da sessão portifólio (de animações feitas para propaganda) é esse Abba to Zappa, interessantíssimo. Um dicionário musical, onde a cada letra do alfabeto, mostra-se um nome da música. Sempre detestei Pato Fu, e ver um clipe deles no cinema foi um dos piores desprazeres que tive, portanto Tudo recebeu 0. Learn Self Defense é hilário, tratando da insegurança das pessoas ao sair da rua, já que não estão mais seguras mesmo em suas casas. Portanto, a solução é aprender a auto defesa. Este curta e um guia prático de como aprender a se defender, passo a passo. O resultado é um paradigma a nossa sociedade violenta. Poldek é um sério candidato a "pior coisa que já vi na minha vida", completamente irritante a história desse cachorro faminto e sua dona. Como eu detestei esse curta, não há como descrver, posso apenas dizer que ultrapassa os limites que repulsa. Agricultural Report é a história de uma vaca que escuta no rádio algo sobre uma nova doença, e ela começa a ficar paranóica. Um humor que funciona muito bem. Nessa sessão, imprópria para menores de 16 contém dois curtas que falam sobre sexo, nenhum deles bom, mas pelo menos um é criativo, Fauna Sutra, que é o Kama Sutra dos animais.

Curtas 20



Grrr (RU, 04) [60]
Festival Qualite (França, 04) 0 [0]
Cuilín Dualach (Irlanda, 04) [70]
Sunday, Corner Tap (EUA, 04) [67]
Moon (Itália, 03) [20]
Aquatoria (Bulgária, 04) [80]
Une Histoire Vertebrale (França, 03) [65]
La Poupée Cassée (França, 05) 0 [0]
In the Rough (EUA, 04) [83]

O melhor da sessão é o curta da Blur Productins, In The Rough, a mesma produtora de Gopher Broke, sobre um homem das cavernas que enfrenta tudo, em busca de comida e sobrevivência, menos sua esposa. até ela ficar em perigo. Bem engraçado. Aquatoria é sobre um peixe estranho que não quer ficar de jeito algum em seu aquário. Acima eu falei que conflito não é necessário se a história for bem conduzida, este é um exemplo. Cuilín Dualach é um curta muito simpático e até bem clichezinho, mas não tem como não se encantar com a história desse garoto excluído por todos por ter a cabeça virada para as costas. La Poupée Cassée conta algo sem a menor lógica, e não entendi direito a razão de tudo aquilo, de tão absurdo e idiota perde compeltamente a noção do que se está propondo.

Animação em Curso 1 (este é composto por trabalhos realizados em faculdades e cursos)

Sombras (Brasil, 04) [50]
Illume (EUA, 05) 0 [7]
Le Voleur D'Eclats (França, 04) [82]
Pingüin's History (Espanha, 04) 0 [0]
Pedras e Balas (Brasil, 04) [69]
O Lixo (Brasil, 05) 0 [0]
Bus Stop (RU, 04) [47]
Une Douce Illusion (França, 04) 0 [0]
The Cake (Israel, 04) 0 [0]
Vent De Sel (França, 04) [53]
Weihnachtsessen (Alemanha, 04) [87]
Steam Team (França, 04) [70]

Para trabalhos universitário e cursos, o nível é muito bom. Ainda mais comparado ao profissionais. Nesse programa vi coisas muito superiores e muito mais originais que na média geral. Mas não é por isso que as porcarias não existem, existem e em massa. Weihnachtsessen é muito bom, um coelho (da páscoa) que tenta convencer uma loba fminta a não transformá-lo em alimento para ela e para os filhotes. Muito bem feito também. Le Voleur D'Eclats é uma história muito bizarra sobre um homem pássaro que sequestra uma garota que acaba por se apaixonar por ele, cativou-me bastante. Steam Team também apela para o absurdo, mas funciona pela sua simplicidade, a história de dois alienígenas que pousam na Terra visando encontrar o imperador e se deparam com um anão de jardim. O Lixo é um título auto-explicativo, o filme é realmente um lixo (perdoem o trocadilho). Quem teve a brilhante idéia de fazer um curta onde uma pessoa anda pela rua, ouve um barulho da lata de lixo, dentro dela salta uma cobra gigante e o engole? Quem teve essa brilhante idéia? É isso que eu falo sobre ausência de conflito ou história.

Papo Animado Georges Schwizgebel

Vol dIcare (Suíça, 74) [28]
Perspectives (Suíça, 75) [25]
Hors-jeu (Suíça, 77) [34]
Le Ravissement de Frank N. Stein (Suíça, 82) [53]
78 Tours (Suíça, 85) [50]
Le sujet du tableau (Suíça, 89) [67]
La Course à l'Abîme (Suíça, 92) [64]
L'Année du Daim (Suíça, 95) [25]
Fugue (Suíça, 98) [24]
Zig Zag (Suíça, 96) 0 [10]
La Jeune Fille et les
Nuages (Suíça, 00) [32]
L'homme sans Ombre (Suíça, 04) [71]

Georges Schiwzgebel é um cara que possui uma belíssima estética para sua animações, todas feitas através de pinturas e são muito bonitas. O suíço recebeu nesta edição uma homenagem, mostrando toda sua filmoagrafia. Percebe-se um padrão em seus filmes, infelizmente não é algo bom. Haja paciência para aguentar essa sessão sem dormir. São filmes muito chatos e monótonos. Uma palavra resume o que ele mostra: repetição. Todos os curtas dele são maçantes por repetirem as mesmas cenas diversas vezes. Sim, ele possui curtas interessantes, mas somente pela abordagem, e não pela linguagem. Os curtas que gostei transmitiram-me algo além de tédio. Mas no resto caem na falta de um roteiro, pois não passa de um amontoado de imagens que tentam se juntar e formar algo, sem sucesso. Só dei duas estrelas para Le Ravissement de Frank N. Stein pela homenagem ao clássico A Noiva de Frankeinstein, que ganha uma bonita abordagem e se o curta inteiro fosse daquela maneira, sem dúvida seria um dos melhores do festival.

Papo Animado Chris Landreth

The End (Canadá, 95) [74]
Bingo (Canadá, 98) [73]
Ryan (Canadá, 04) [89]
Walking (Canadá, 68) [66]
Street Musique (Canadá, 72) [51]
The Listener (Canadá, 91) [26]

Chris Landreth é um cara legal, pelo menos pela sua filmogarfia. Tirando The Listener, seu primeiro contato com animações e usado mais como um experimento do 3D, toda ela é muito boa. Landreth tem uma vazão muito surrealista, não retratando as pesoas pela sua aparência física, mas sim a aparência depois de tudo que ocorreu ao decorrer de sua vida. As marcas que ficaram no seu psicológico ganham o físico da pessoa, mas nunca a transformam em algo difrente do que ela é. Tudo isso é visto claramente no curta documental de animação Ryan (o ganhador do Oscar), sobre a vida de Ryan larkin, um dos grandes expoentes da animação que após traumas se tornou mendigo. Larkin tornou-se viciado em cocaína e em álcool, e após um tempo toda sua criatividade acabou. O curta é poético e dá vazão para toda expressão de Landreth. A cena em que Larkin explica a razão que não abandonará a cerveja para voltar a ativa é de partir o coração. É a história de quem perdeu as esperanças. Nesse programa ainda somos agraciados com os históricos curtas de Larkin que mudaram uma geração de animadores, Walking e Street Musique. O primeiro é formado por diferentes tipos de andar, e é algo agradável de se ver. O segundo já achei meio pedante. Landreth merece todo o destaque possível.

El Sueño de una Noche de San Juan (Espanha, 05) [73]

O único longa metragem que vi foi esse espanhol. Uma agradável adaptação sobre Sonhos de uma Noite de Verão, do Shakeaspere. Dose de humor na medida certa, memso tendo uma apelção mais infantil. melhor que muito longas de grandes estúdios americanos, ganaha pelo humor ingênuo e por uma história de fantasia crível. O duque está perdendo a vontade de viver, sendo assim Tristana perde sua vida, e o mundo da fantasia praticamente se extingue. A jovem Elena, que não acredita mais no faz de conta; Lisandro, um sonhador apaixonado por Elena e o vilão-que-se-faz-de-bonzinho partem para o mundo da fantasia para trazer vida para o duque (pai de Elena). Mas só com Elena voltando a acreditar em tudo aquilo algo poderá ser feito. Gosto dessas animações simpáticas. A piada da música "Tempo, Falta pouco tempo" é genial.



TOP 10 Curtas Metragens do Anima Mundi 2005 que eu vi

10 - Agricultural Report (Irlanda, 04) Dir.: Melinda Sydney Padua

9 - Abba to Zappa (RU, 04) Dir.: Smith & Foulkes

8 - Gopher Broke (EUA, 04) Dir.: Jeff Fowler

7 - Weihnachtsessen (Alemanha, 04) Dir.: Elmar Weinhold e Andreas Menck

6 - Learn Self Defense (EUA, 04) Dir.: Chris Harding

5 - Not There Yet (Irlanda, 04) Dir.: Jason Tammemagi

4 - Ryan (Canadá, 04) Dir.: Chris Landreth

3 - Rex Steele: Nazi Smasher (EUA, 04) Dir.: Alexander Woo

2 - Vita Ex Musica (França, 04) Dir.: Azad Lusbaronian, Léandre Lagrange e Antoine Dekerle

1 - À Travers Mes Grosses Lunettes (Canadá, 04) Dir.: Pjotr Sapegin

Postado originalmente em 23/07/2005, 25/07/2005, 26/07/2005, 27/07/2005, 28/07/2005 e 29/07/2005.

0 Comentário(s):

Postar um comentário

<< Voltar